Morre Evaldo Gouveia aos 91 anos, vítima de Covid-19

evaldo-gouveia.jpg

Morreu nesta sexta-feira (29), em um hospital particular de Fortaleza, vítima de COVID-19, o músico compositor, cantor e violonista cearense Evaldo Gouveia. A informação foi confirmada pelo biógrafo do artista, Ulysses Gaspar. Autor de “Sentimental Demais” e do samba-enredo “O Mundo Melhor de Pixinguinha”, dentre outras canções que ganharam espaço na memória dos ouvintes dos tempos áureos do rádio até cá, Evaldo Gouveia teve sua obra bastante interpretada e revisitada.

Conforme Ulysses, Evaldo Gouveia estava com a saúde debilitada desde o fim de 2017, quando apresentou um quadro de pneumonia, em São Paulo. Na época, o artista se internou e no hospital teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC). De volta a Fortaleza, Evaldo ficou em tratamento até contrair o novo coronavírus, que debilitou ainda mais seu quadro.

Obra e Trajetória.

Com 1.200 composições e cerca de 700 músicas gravadas, o estouro de seu repertório, na frequência radiofônica, foi impulsionado pela voz de cantores como Altemar Dutra, Nelson Gonçalves, Alaíde Costa e Maysa Monjardim. Antes de emplacar carreira solo, o cearense fez parte de formações como a do lendário Trio Nagô, ao lado de Mário Alves e Epaminondas Souza.

A relação com Altemar Dutra (1940-1983), em especial, marcou o ápice da carreira de Evaldo Gouveia. O cearense levou Dutra às boates de Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ), e o sucesso do cantor mineiro, interpretando as composições de Evaldo, levou ambos ao auge.

Bibliografia.

Natural de Orós (CE), Evaldo Gouveia  nasceu no dia 8 de agosto de 1928 e tinha a memória identificada com o município de Iguatu (CE), para onde a família do artista se mudou quando ele tinha apenas três meses de idade. O compositor é referência da MPB da era do rádio, período que teve seu auge nas décadas de 1940 e 1950 no Brasil.

A consagração no Rio de Janeiro teve sua base, no fim da década de 1940, na reputação de Evaldo Gouveia pelo circuito de bares de Fortaleza e pelas premiações em programas de calouros da extinta Ceará Rádio Clube. Foi depois dessa fase que o cearense ajudou a fundar o Trio Nagô. Com o grupo, trilhou um amplo circuito de shows.

O trio fez sucesso no programa do radialista César de Alencar (uma espécie de “Faustão” do rádio), na Rádio Nacional (RJ). Nelson Gonçalves deu fôlego à repercussão de “Deixe que ela se vá”, música do Nagô. E nasceram, neste período da primeira metade da década de 1950, composições como “Somos Iguais”, “Serenata da Chuva” e “Sentimental Demais”.

Recentemente, uma série de tributos marcou as comemorações pelos 90 anos de vida do compositor, completados em agosto de 2018. Em fevereiro de 2019, a homenagem do Carnaval da Saudade do Clube Náutico Atlético Cearense sinalizou sobre a contribuição da obra do cearense para os festejos carnavalescos.  Evaldo Gouveia deixa um forte legado para a música cearense em meio a suas composições.

Deixe uma resposta

scroll to top
error: O conteúdo está protegido !!
%d blogueiros gostam disto: